sábado, 9 de fevereiro de 2013

E por enquanto não sei

Nunca gostei de tomar decisões importantes sobre pressão. Ou, melhor dizendo, não gosto da pressão. Não gosto que me exerçam pressão para decidir algo que sei muito bem que, dessa forma, não terei o discernimento necessário para o fazer, ou pelo menos com certeza. Mas também sei que, em certos momentos da minha vida, será uma obrigatoriedade a que não posso, pura e simplesmente, virar costas e esconder-me. Terei que revelar-me, erguida, muitíssimo confiante ( confiante apenas chega ) e essa pressão estará lá, em lugar de honra, para não ajudar ou acrescentar um rigorosamente nada.
Talvez também por eu recear decisões determinantes sob a minha vida e por ter como tendência, reprimi-las. Penso que o uso como auto-defesa para interditar as coisas más que poderiam advir de qualquer decisão menos reflectida.
Agora, o tempo esmaga-me, e preciso de decidir coisas. Eleger aquilo que será melhor para mim. O grande dilema: não faço a mais ínfima ideia do que me presto a fazer. Não há-de ser o fim do mundo, e mesmo que fosse não seria essa a causa, mas se influencia com o meu futuro é já assunto com capacidades para me deixar com os nervos à flor da pele.

1 comentário:

Joana* disse...

Eu nunca funciono bem sob pressão e quanto estou sob ela faço más escolhas :s