quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Lembrei-me delas

Algures num destes dias da quadra de Natal, ouvi a minha avó mencionar num suspiro que sentia falta da sua alegada máquina de escrever, das tardes em que, entretida, escrevinhava pelo papel fora tudo e qualquer coisa. 
O que me levou a pensar em como sempre encontrei nessas peças um encanto particular. Embora um computador tenha a sua dose de prático e acessível, nada como teclar efectivamente numa máquina de escrever do antigamente. Rolo de tinta e tudo.  
Dá um certo ar vintage de relíquia, que me agrada inexplicavelmente. Mas lá está, certas coisas simplesmente desvanecem no seu tempo.

5 comentários:

Inês Trigo disse...

Eu ainda tenho uma máquina de escrever. De vez em quando ainda a uso. É sem dúvida diferentemente de escrever num computador

Claire disse...

Eu tenho uma máquina de escrever, está na garagem coberta com a capa que trazia, tenho há anos desde pequena, não é minha é do meu pai mas posso utiliza la claro

miii disse...

Eu tenho uma máquina de escrever, e Às vezes ainda gosto de brincar com elas! (:

Mel Pereira disse...

O meu avô tem uma guardada religiosamente. :)

Amante Japonesa disse...

gostava de ter uma assim (: